Blog

Modelos de educação: quais os tipos que existem?

Fazer um aluno prestar atenção e ter interesse em determinadas matérias é uma das tarefas mais árduas que todo professor enfrenta. O que se tem visto são alunos em sala de aula memorizando todo o conteúdo para depois serem aplicados em modelos tradicionais como provas e testes.

Usar a famosa “decoreba”, não incentivando os alunos a pensarem, faz com que eles só consigam desenvolver determinados exercícios. Quando é necessário usar o raciocínio, encontram dificuldades.

 

5 modelos de educação que incentivam o aluno

 

Para fugir do modo tradicional de ensino, separamos alguns modelos de educação que podem ser usados na sua maneira de ensinar ou até na reformulação da sua instituição de ensino:

Sala de aula invertida: em um modelo tradicional, o professor ensina o conteúdo para os alunos, eles tiram dúvidas e, após, fazem exercícios para fixar o que foi aprendido.

Na sala de aula invertida, isso muda: primeiro, os alunos estudam o conteúdo sozinhos. Na sala de aula, eles tiram dúvidas e treinam o que aprenderam com a resolução de problemas.

Esse tipo de método é muito benéfico para os alunos, pois, quando eles chegam na sala de aula, já sabem o que o professor vai ensinar. Isso acelera o aprendizado já que, quando o professor começar a ensinar, não será um conteúdo completamente desconhecido.

– Escola na nuvem (School in the cloud): esse modelo se originou na Índia. Um professor e pesquisador disponibilizou alguns computadores para as crianças e deixou que elas aprendessem sozinhas. O resultado foi que as crianças, além de aprenderem como utilizar um computador, também aprenderam de forma intuitiva e colaborativa.

Esse modelo dá autonomia para as crianças aprenderem, além de incentivar o trabalho em grupo, pois todos se ajudam para obter as respostas dos exercícios propostos.

– Modelo Steam: Steam (Sience, Technology, Engineering, Arts and Mathematics) isto é, Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática. Esse modelo é inspirado na forma como as Universidades produzem ciência, isto é, os alunos devem formar grupos e resolver problemas.

O professor propõe atividades de todas as áreas, com isso, os alunos precisam realizar pesquisas para desenvolver os projetos. O modelo melhora a fixação de conteúdo, o aprendizado, a capacidade reflexiva e crítica.

– Currículo flexível: dá autonomia ao aluno para escolher o que vai aprender, pois cada um tem afinidade com determinadas matérias.

O aluno pode escolher as matérias as quais estudará na escola e montar a sua própria grade curricular. Também é possível escolher classes com conhecimentos mais avançados ou básicos, isso dependerá do conhecimento do aluno.

Mas, apesar de poder escolher o que estudar, saiba que existem disciplinas obrigatórias para todos.

– Educação democrática: esse modelo tem como característica o protagonismo do aluno. Os alunos e todos os colaboradores decidem como será o modelo de aprendizado e como será o futuro da instituição.

Nessa modalidade, a escola se torna um espaço aberto ao diálogo, sem priorizar a hierarquia, mas, sim, criando projetos educativos, nos quais é possível envolver toda a comunidade, isto é, todos podem atuar dentro da instituição.

As ações da escola são pensadas como um todo e todos podem participar.

Agora que você já sabe quais os modelos de educação, basta escolher o que melhor se encaixa no seu método de ensino!

Modelos de educação: quais os tipos que existem?

Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *